sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Os tweets preferidos dos membros do grupo do Ovelhas Voadoras #3

Mais uma vez o sensacional grupo do Ovelhas no Facebook (o melhor grupo segundo o site Ovelhas Voadoras) se reúne pra eleger os melhores Tweets. Eles não são muito bons nisso. Nota 10. Fiz esse post Ontem às 18:33 (tá escrito ali):


Fui descendo e escolhendo os mais legais. Veja:


vdd vddra meu parsa

Jogos alterados pra transformar a hora de recarregar a arma em um momento non-sense e sensacional

Não é raro que jogos de computador sejam modificados, e na quase totalidade das vezes, pra melhor. É o caso dos Elder Scrolls mais antigos, onde simples alterações na quantidade de vida que se perde, na dificuldade de encontrar lugares, na realidade das coisas, que te deixam imerso em um jogo, deixam o negócio muito melhor. Muitos jogos, por tentarem abranger um público que vai dos 13 anos até os 40, tudo de uma vez, acabam destruindo eles mesmos. Foi isso o que fez jogos de guerra darem um passo a passo de tudo o que você tem que fazer, assim, fazendo com que você não precise dedicar nenhum esforço pra completar o jogo. Falarei disso em vídeo.

A questão é que muitas pessoas editam a animação da hora de recarregar a arma pra algo non-sense e engraçado. Veja alguns (devido ao peso dos gifs, esse post será dividido em duas partes. Aguarde):



Conheça o seu dublador de voz interna nessa tirinha - Ele está dublando enquanto você lê esse título

Com que voz você está lendo isso? Você tem uma voz especial pra mim ou essa voz você usa em tudo quando é texto?  (leia com voz fininha) BUMBABUMBABUMBAÊ. Ok. Chega de ler com voz fininha. Pode parando!

De qualquer forma, mesmo quando não está dublando personagens em tirinhas ou textos, você tem uma voz pros seus pensamentos, sua voz interior, que é o seu núcleo, a sua consciência. É a coisa que compõe o seu Eu e que você pode enxergar em 1ª pessoa. A barreira entre o dentro e fora. É o terreno onde ocorrem as decisões, tomadas por Você, essa voz. Quando você lê o que eu escrevo, você está refazendo um pensamento que fiz com minha voz interior e, usando movimentos precisos dos meus dedos no teclado, consigo traduzi-los pra símbolos que chegam aos seus olhos e são traduzidos novamente pra sua voz interior, Você. Isso está acontecendo nesse exato momento. Daí pode-se tirar muitas conclusões. A primeira é a de que a substância de algo, ou seja, o que eu quero dizer, não está nas palavras. As palavras são só uma forma de traduzir o que eu quero dizer. A prova é a existência de vários idiomas, com várias palavras significando uma mesma coisa.

Pra se aprofundar nisso, precisamos recorrer ao, ele mesmo, Aristóteles. O que eu quero dizer, já que as palavras são só traduções disso? Primeiro de tudo temos que ter a noção de substância. Ele divide a substância em duas: a primeira se refere aos seres individuais e particulares, que realmente existem (e não estamos falando do Ser Humano, de senciência, e sim da pedra que é pedra, do cavalo que é cavalo, etc). Dentro dessa primeira substância temos a essência e o acidente. Nossa, acabei de notar que a conversa é longa. Se quiser saber mais sobre o que são as coisas que falamos, já que não são as palavras, já que as palavras apenas traduzem o que queremos falar, procure sobre a substância de Aristóteles. Acho que, pelo menos, te deixei curioso.

Assim como no primeiro parágrafo, essa tirinha do Owl Turd, que se chama Bluechair quando é publicado no Webtoons (sei lá pq) brinca com a sua mente. Veja:

E se o jogo Uno fosse um Mangá?

Recomendo que você jogue Uno assim: 1) Coloque uma regra onde cartas com números iguais podem ser colocadas ao mesmo tempo (menos as cartas pretas). Caso se coloque duas de pular a vez, pulam-se duas pessoas. A +2 também acumula nesse caso. 2) Jogue pelo sistema de pontos. Cartas numeradas dão o número de pontos marcadas nelas. Cartas de inverter a jogada, +2 e pula vez dão 20 pontos cada. A coringa dá 50 pontos e a +4, 100 pontos. 

Desse jeito o jogo passa a ter uma estratégia e ganha ritmo. Experimente.

O Emcee fez uma tirinha onde imagina como seria um Mangá sobre o jogo. Veja:


Trechos de histórias em quadrinhos de super-heróis que fora de contexto ficam engraçados #2

Sempre procure saber o contexto das coisas antes de opinar sobre elas, ou você pode entender tudo errado e desperdiçar saliva falando abobrinha. Pra provar isso, veja trechos de histórias em quadrinhos que quando fora de contexto você vai entender totalmente errado:


"Olha, Batwoman! Esses bandidos tão tentando destruir o Super-Homem com o vibrador!"


"Não me importo com quem você seja, ou de onde você é...eu posso lamber qualquer coisa na Terra, e tirar qualquer coisa dela também com a língua"

Quando você finalmente supera alguém e tem um surto psicótico guiado pela inveja

Já que admirar uma pessoa e elogiá-la em demasia, sem se preocupar com a própria imagem, virou crime num meio onde o narcisismo delirante impera, cada vez é mais comum o termo "inveja boa". É como dizer "estupro bom". A inveja nunca é boa e quem usa tal termo é no mínimo analfabeto funcional (e não raro mau caráter). O adepto da "inveja boa" sempre tem que colocar o Eu dele no meio de tudo, não conseguindo simplesmente ficar feliz por alguém sem desejar estar naquele lugar.

Esse sentimento é sempre predatório e surge de duas maneiras: 1) A pessoa já almejava algo antes e sente raiva de qualquer um que conquiste tal coisa antes dela; 2) A pessoa, não aceitando seu fascínio por outra, já que ela idolatra seu Eu e admirar de forma pura uma pessoa vai contra a realidade que criou em sua cabeça pra admitir que o Eu dela pode ser idolatrado, transforma isso em raiva, e ela irá desejar tudo o que essa pessoa tem ou quer.

Óbvio que, você que usou essa expressão e não tinha nenhum sentimento ruim quanto à pessoa deve estar puto da vida. Não te condeno. Se você sabe no fundo do seu Eu que não tinha má intenção, seu erro é apenas semântico, e recomendo que busque mais aprendizado pra não cometer erros tolos assim. De qualquer forma, nada condenável.

Por último, não tenha medo de admirar alguém. Para ser grande um dia, deve-se admirar os maiores que você.

Na tirinha do Jolly Jack, um invejoso consegue superar o invejado, e finalmente pode liberar seu impulso psicótico sem parecer inferior (na mente doente dele). Veja:


Tem um extra depois do final: