Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Como gente insegura enxerga o mundo

Você é inseguro? Bom, preciso dizer algo. Preciso porque prefiro falar a verdade do que ficar escamoteando o que eu acho só porque pode ferir alguém. Eu desprezo gente insegura. Tanto o inseguro tímido, quanto o inseguro extrovertido. Antes de tudo, deixo claro que não é esse papo de macho alpha. Até podemos fazer certa divisão social semelhante, mas é muito mais complexa do que a simples divisão alpha/beta que ocorre no Facebook entre as pessoas desesperadas por receberem o rótulo de "alpha".

A insegurança, um desses termos vagos que carregam certo significado além dele, é a falta de segurança de fazer certa coisa que se quer. Dando um zoom nesse significado, é a falta de certeza de uma reação positiva de uma ou mais pessoas em relação a uma ação sua. Ou seja, o inseguro é aquele que na maioria das vezes opta por não fazer algo só porque, em um cálculo mental, ele vê chances baixas de uma reação positiva de outra pessoa. Daí, conclui-se que, pro inseguro, é importantíssimo que toda ação sua tenha uma reação positiva. Se a reação positiva não fosse um fator determinante, não seria o fio condutor entre o fazer e o não-fazer. Ou seja, chegamos em uma primeira conclusão pertinente: O inseguro se importa, e muito, com o que os outros pensam dele. Mas não é isso que faz com que eu os despreze.

Não existe algo de mau em querer ser aceito pelas pessoas ao seu redor, ou em apreciar a ideia de que as pessoas gostem de você. Tem até o seu lado nobre. Mas veja: O correto é primeiro você definir quem é o seu "eu". Quem é essa pessoa que fica falando aí na sua cabeça? Do que ela gosta de verdade, pelo o que ela se interessa, quais são as virtudes e defeitos dessa pessoa aí na sua cabeça que no final é quem decide as coisas por você? Esse é o seu "eu". Eis aqui o primeiro motivo pelo qual eu desprezo o inseguro: Ele cala o seu "eu". O seu "eu" é a única coisa que conhece 100% de você e sabe de todas as coisas que você fez e quer fazer. Ele também conhece todos os seus defeitos e suas virtudes. Quando você aceita esse seu "eu", você começa uma espécie de jornada de aprendizado. Com as coisas que você absorve do mundo, o seu "eu" tem ideias, novas concepções, e a cada nova conclusão que o seu "eu" chega, um leque de possíveis conclusões sobre as mais variadas coisas se abre, e assim, cada vez mais, você se integra ao seu "eu" e passa a ser um bicho cada vez mais consciente e inteligente, capaz de perceber a realidade ao seu redor. O inseguro destrói esse processo logo no início. Quando o seu "eu" pensa em lhe apontar um defeito, logo o pensamento é suprimido, compensado, ou qualquer outro mecanismo de "defesa" da consciência (entre aspas porque é uma defesa um tanto danosa se enganar). O inseguro passa então a querer agradar a todos sem nem saber quem ele é de verdade. Não tem outro resultado possível: O mundo passa a moldar o inseguro, e ele oscila entre elaborar um plano maquiavélico de marketing pessoal e auto-piedade, culpando o mundo por não lhe entender, sendo que é ele que nunca se entendeu, e nem se deixou entender. O segundo motivo pelo qual eu desprezo o inseguro compreende o primeiro: Ele é covarde. A covardia está em seu âmago.

Agora que já me expressei, deixo aqui a distinção entre o inseguro tímido e o inseguro extrovertido, já que mencionei ela no início do texto. O inseguro tímido é basicamente o que eu descrevi agora. Por não saber quem é ele de verdade, tudo o que ele tem do "eu" dele é só a imagem que ele acha que passa dele mesmo pros outros, e tem muito medo de se arriscar no social pra arranhar essa imagem. Por dentro, ele se julga calculista, e acha que será o top da balada depois que colocar em prática seus planos. "Amanhã serei outro" - pensa ele antes de dormir, já simulando em sua mente um filme onde ele conquista a minazinha gostosa da escola apenas com umas palavras. O inseguro extrovertido, embora consiga ter vida social, vive de querer provar que gosta das coisas que as outras gostam. Embora menos covarde, é muito mais chato.

O College Humor fez um post comparando o mundo real com o mundo que o inseguro enxerga (no post eles chamam de "ansiedade social", o que eu acho que é um eufemismo ridículo):

             MUNDO REAL           X    MUNDO DO INSEGURO

Quando o telefone toca:


Pedindo comida:


Indo pro barzinho pra encontrar uma galera:


Em uma festa:


Ao encontrar alguém na rua:


Ao chegar casa:

Comente com o Facebook: