Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Capas de álbuns que sem querer ficaram macabras

Eu não sei ao certo de onde se origina a essência de um filme de terror. Ou de como alcançar a essência de medo puro. Nem sei como fazer algo dar medo. Deve existir algum método pra fazer com que o espectador tenha medo. Podem existir vários, uns melhores que os outros. Mas de qualquer forma, eles podem seguir apenas um dos dois caminhos que imagino ser possível: 1) Alcançar a essência que causa medo. 2) A essência é o medo, e você deve alcançá-lo.

Não sei se o medo é um meio ou um fim em um filme de terror (como ferramenta pra criação de um bom filme. Pro telespectador, obviamente é o fim, sendo o filme um meio). Pra que se faça um bom filme de terror, de qualquer forma, o criador do filme deve submergir a pessoa no medo, fazer com que ele seja o diapasão de todos os aspectos do filme. O cenário, a fotografia, tudo deve ser visto pela ótica do medo.

Você só tem medo de algo quando o medo te supera, assim como só ri de algo quando certo humor é superior ao seu. Se certo humor é inferior, você simplesmente não acha graça, como um adulto vendo um desenho pra crianças de 4 anos de idade. O terror também deve ser superior à pessoa.

Uma das graças do terror é o mistério, porque o fato de algo não se revelar como um todo pra você sugere que existe algo pra ser revelado, e essa ânsia da revelação, do desfecho de algo, misturada com o aumento do perigo iminente conforme se aproxima da revelação dele, de seu núcleo.

Um exemplo de terror perfeito é o jogo Silent Hill, o primeiro, de Playstation 1. Mesmo com péssimos gráficos, o grande mistério que conforme se revela também se mostra potencialmente maior do que você o julgava antes, ou seja, quanto mais você descobre, mais vê que tem muito mais a ser descoberto, os perigos aumentam conforme você busca o seu desfecho, encontrar a filha, dentro de um mistério macabro que não te pertence, você não pediu, mas está preso nele. Cada gênero tem seu núcleo, o do terror creio que possa ser esse.

Alguma coisa nessas capas de CD causam aquele medo irracional, que provocam ao mesmo tempo uma curiosidade. Não tenho resposta pra isso. Veja:


Que olhar meigo da boneca


Essa criança com o míssil parece filha do Mike Myers, o vilão da saga Halloween



Se não fosse o francês, eu diria que é um álbum da Rússia


A senhorinha nem faz parte da banda


Imagina você andando no meio do mato e encontra uma mulher com um longo vestido branco com um boneco de ventríloquo em seu colo.


"Ele me tocou" é o nome do LP


A criança não parece estar muito feliz com a presença do palhaço


Com certeza o cara tomou cogumelo pra criar algo como "12 tattyphilarious doddy hits" onde diversas músicas levam em seus nomes variações do nome Diddymen, ou o próprio nome, personagem fictício e de brinquedo. Alguém de cócoras, coberto de pintinhos e conversando com um enfeite de jardim não pode ser normal.


Sempre que vejo coisas assim imagino um pai tão traumatizado com a morte dos filhos que criou personalidades para bonecos de ventríloquo que ele mesmo interpreta.


Pelo menos ela não será uma testemunha contra você. Mas pode ser sua assassina.


"Você conhece Jesus?"
Conheço e não tem nada a ver com isso


Que coisa é essa de músicas com bonecos de ventríloquo? E esses palhaços mortos por dentro? E esse pedófilo careca lambendo os dedos abaixo do título "If i should touch you"? São muitas perguntas.


Amém...


Você tentando ser sensual


Imagina você acorda de ressaca, com dor na bunda, olha no celular e vê uma foto sua do lado de um palhaço


Eles devem cantar na língua de Lúcifer


Se eu entrasse numa festa e me deparasse com essas três figuras olhando pra mim, sairia de lá o mais rápido possível


Eu e minha namorada

Gostou do post? Então veja também:

Comente com o Facebook: