Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Livro ilustrado mostra as atrocidades cometidas pela "Revolução Cultural Chinesa"

Em 1966, uma "campanha" liderada por Mao Tse-tung começou. Era a "Revolução Cultural". Deixa eu explicar: desde 49 Mao Tse estava no poder. Quase 20 anos depois, a oposição a ele chegava a níveis que não agradavam o Partido Comunista. Começaram então a tal "campanha", nada mais que terrorismo ideológico, humilhando pessoas em público, causando discórdia em tudo quanto é lugar, espancando e matando dissidentes, e muitas outras atrocidades.

Ch'en Yung Sheng, que se define como um "guerreiro da liberdade", ilustrou esse livro que descreve algumas das atrocidades cometidas pelo comunismo chinês.



"Por que professores precisam sofrer tanto?

Em Julho de 1966, os Guardas Vermelhos da Oitava Escola de Amoy designaram uma nova forma de tortura onde eles reuniam professores que eram considerados como "autoridades acadêmicas" e cortavam seus cabelos de forma estranha. Além disso, os professores eram forçados a capturar 100 insetos e comê-los em público. Era dito que só fazendo isso suas "almas seriam estimuladas".


"A corda da vida foi quebrada

Em Julho de 1966, o famoso pianista Lin Shik-k'un, uma das mais notáveis "autoridades acadêmicas", sofreu todos os tipos de humilhação e tortura durante a "Revolução Cultural". Quando os Guardas Vermelhos perguntaram como ele se sentia, Lin estava tão nervoso e triste que cortou
os seus pulsos em um protesto silencioso".


"Pra mostrar gratidão aos professores?

Em Julho de 1966, os Guardas Vermelhos da Segunda Escola de Amoy, sob o slogan de "derrubar as autoridades acadêmicas", obrigaram os professores a correr sob o Sol escaldante carregando um peso de até 60 quilos sobre os ombros ou costas. Aqueles que caíam ao chão eram espancados com um cinto de couro. Aproximadamente 100 professores, incluindo Dean Huang Te-ch'uan foram espancados e
sofreram sérios ferimentos"


"O fim daqueles que trabalharam fielmente a Mao

Durante a campanha pela "derrubada dos mantenedores de poder", o então "comandante da região militar de Fu-Chou" Yeh Fei e sua esposa Wang Yu-Keng (comissária de educação de Fukien) foram presos pelos Guardas Vermelhos em 29 de Agosto de 1966 (todos os Guarda Vermelhos de Akoy eram apelidados de "829" como um totem de vitória). Em Setembro do mesmo ano, Yeh Fei foi amarrado e marchou pelas ruas de Fu-chou. Em Outubro, Wang Yu-keng foi levada pra Amoy e espancada até ficar gravemente ferida. Não se sabe se ela está viva ou não"


"Crachás Vermelhos

Pra demonstrar lealdade absoluta, constante e ilimitada a Mao Tse-tung, com exceção dos "elementos das sete categorias negras", a população era obrigada a usar um crachá de lealdade quando fora de casa. Caso contrário, seriam acusados de "ter problemas" com a ideologia"


"A tragédia da cultura chinesa

Depois que as "dezesseis decisões sobre a grande revolução do proletariado alcançadas pelo comitê central do Partido Comunista" foram feitas públicas no dia 8 de Agosto de 1966, os Guardas Vermelhos conduziram uma busca em todas as casas sob o pretexto de "se livrarem dos quatro antigos costumes". Todas as publicações que não eram de Mao, incluindo dicionários e enciclopédias, foram recolhidos e queimados. Tinham grandes queimas na frente de cada um dos edifícios dos Guardas Vermelhos. Quanto mais livros queimados, "melhores os resultados".


"Prostesto 'silencioso'

Em Julho de 1966, Yen Ts'ai-chu, a maior vocalista em Amoy (uma chinesa que voltava da Indonésia e irmã mais nova do Prefeito Substituto) foi humilhada e queimada até a morte na frente do teatro Kai-ming. Os comunistas chineses forçaram o filho dela a fazer repetidas declarações públicas dizendo que ela cometeu suicídio por medo de ser punida por seus crimes e que não foi assassinada"


"Maridos e Esposas foram separados pra voltar a unidades parentais e fazer revolução

Com o intuito de facilitar o controle, Mao Tse-tung emitiu a diretiva "7 de Março" em 1967. Ela chamava pessoas pra voltarem a suas "unidades parentais" pra fazer revolução. Membros de cada família pertenciam a diferentes organizações dos Guardas Vermelhos por conta de seus trabalhos. como resultado, pais e filhos, irmãos e irmãs, bem como maridos e esposas foram feitos rivais e inimigos. Muitas famílias felizes foram separadas forçadamente"


"Divisão em todo lugar e luta o tempo todo

Existiam organizações dos Guardas Vermelhos tomando diferentes posições em todas as escolas e agências. Mesmo sendo colegas de classe ou colegas de trabalho, esses Guardas Vermelhos mesmo assim eram cruéis e ferozes com os outros. os "Promovedores da Unidade' e os "Revolucionários Unidos" ficaram em posições de batalha no campus e ficaram no impasse por meses a fio"


"Cave pelo tesouro

Em meio ao clamor pela "remoção dos quatro antigos costumes", os poucos cemitérios restantes (a maioria foi transformada em fazendas) se tornaram alvos da luta. Corpos eram exibidos como "um objeto de lição" e haviam anúncios públicos pedindo que o povo pegasse o tesouro dos mortos. É dito que a China se tornou o primeiro país sem cemitérios do mundo"


"Tem veneno no sangue dos senhorios

Durante o período inicial do movimento de rebelião, os filhos de donos de terras/casas e capitalistas eram permitidos nas organizações dos Guardas Vermelhos pra que pudessem aumentar a força dos mesmos. Mas depois que os "16 artigos" foram promulgados, os filhos dos que se encontravam nas 5 categorias de elementos negros (donos de terras/casas, camponeses, reacionários, maus elementos e direitistas) eram estritamente marcados. Eles eram classificados como tendo veneno em seus sangues, e era dito que eles deveriam ser limpos"


"Um mundo com um livro

Com o intuito de "plantar firmemente a grande árvore dos pensamentos de Mao", o povo deveria recitar algumas das frases de Mao quando quisessem entrar em um ônibus, mandar uma carta ou simplesmente andar na rua. Caso contrário, não poderiam fazer nenhum dos três"


"Crachás negros

As "5 categorias dos elementos negros" deveriam usar "crachás negros" todo o tempo não importando onde fossem, mesmo durante sua "reforma pelo trabalho", pra que mostrassem de forma conspícua suas "demarcações de classe".


"Liberdade de adoração

Em Agosto de 1966, quando a campanha de se "livrar dos quatro antigos costumes" estava em seu auge, todas as religiões se tornaram alvos que deveriam ser eliminados. Líderes religiosos como o Padre Li Chueh-sheng do templo Nan-t'o e o padre Lu Szu-ku da igreja da trindade em Ku-Lang-hsu foram obrigados a marchas nas ruas e então foram amarrados no Parque Amoy pra sofrerem de fome e sede. Isso era porque os Guardas Vermelhos queriam ver "qual deus viria pra resgatá-los".


"O cão de caça era cozido antes que o coelho solícito fosse morto

No final do Verão de 1968, o dia final veio para os "Guardas Vermelhos". Fossem eles "revolucionários" ou "seguidores do capitalismo", era "solicitado" a todos que fossem pras áreas montanhosas, zonas rurais ou fronteiriças, tendo que colocar algemas feitas pelos próprios Guardas Vermelhos"

Note que algo tenta chegar em algo parecido ao que ocorreu nessa "Revolução Cultural", com outra face, aqui no ocidente. Pense! Ah, e reserve sua vaga no grupo do Ovelhas Voadoras:

Comente com o Facebook: