Tecnologia do Blogger.

Os 8 passos pra ser sugado por um culto que faz lavagem cerebral

Bem no momento em que eu estava lendo o excelente livro Snapping, do Jim Siegelman e Flo Conway, que explica os métodos que os cultos usam pra atrair, recrutar, doutrinar e usar para um fim os seus membros (métodos horrendos e que destroem completamente a cabeça da pessoa), recebo por e-mail uma tradução de um texto do Michael Bluejay, traduzido pela Gaya Nicacio e enviado pela Gabriela Caravaca!

Calha bastante o momento porque, após você ler e conhecer como são os métodos empregados nisso, fica patente que isso está acontecendo em massa hoje. O livro também encontra um padrão entre os cultos e a teoria do caos (olhei aquilo com o fascínio que o médico olha o câncer), e o negócio começa a ficar feio quando o culto se isola da sociedade (todos os cultos acabaram fazendo isso em certo momento, e os resultados foram desastrosos). TE DOU UMA CEREJA se você encontrar ONDE, EXATAMENTE AGORA NO BRASIL, está acontecendo isso. Leia:



Como cultos recrutam e doutrinam seus membros


Já se perguntou como alguém se torna membro de um culto? Como exatamente eles são puxados para dentro dele? Na verdade, o processo é bastante similar de culto para culto, e aqui será explicado a receita básica para isso. Mas, antes de detalhar truques de manipulação específicos, uma coisa a ser realizada é que a doutrinação é, tipicamente, feita em uma série de pequenos passos. Ninguém vai de pessoa racional a devoto com lavagem cerebral em uma noite; em vez disso, essas pessoas são gentilmente conduzidas pelo processo, um passo de cada vez, cada passo não sendo muito maior do que o anterior, de forma a não parecerem uma grande mudança. É claro, ao seguir passos o suficiente, você está a um quilômetro de onde começou. É como aquela clássica história do sapo: se você o jogar em uma panela com água fervente ele vai fugir, mas se ferver a água lentamente com ele dentro, sequer vai perceber até ser tarde demais. Pode não ser completamente verídico, mas ilustra bem o conceito. Enfim, com isso em mente, vamos seguir o caminho de um novo recruta em sua inserção em um grupo de manipulação em massa.


1.  Convite para um evento não ameaçador



Recrutadores de cultos nunca vão te mostrar o pior lado da barganha de cara. Afinal, se a proposta fosse “Venha fazer parte do nosso grupo! Deixe-o controlar de muitos a todos os aspectos da sua vida, fazê-lo cortar laços com os que não fazem parte dele, e dar tudo de si a ele até o dia da sua morte”, a maioria correria para longe gritando. Então, em vez disso, um recruta em potencial é convidado a uma feira, um acampamento, uma “festa”, um show, ou algum outro evento inofensivo do tipo.

O convite pode também incorporar algum tipo de truque, como oferecer comida ou parceiros.


2.  “Love-bombing”, ou banho de amor



Durante este evento, os membros do culto devotam ao recruta em potencial atenção e louvor. Psicólogos chamam isso de “love-bombing”, ou banho de amor. As pessoas do culto estão tentando criar uma associação positiva na sua mente entre ir ao evento e sentir-se bem. Assim, quando for convidado para o próximo, a probabilidade de que você vá será maior por conta do sentimento bom que eles impregnaram em você em sua primeira visita.

O “banho de amor” poderá continuar durante algum tempo. Ex-membros de cultos descrevem como, nos primeiros meses, todos são anormalmente gentis e amigáveis com eles, e eles expressam uma gratidão que, depois percebem, nunca foi deles, e nem mesmo merecida.


3.  Balançar o “prêmio” na sua frente



Em algum momento, os membros do culto vão sugerir que, se você se juntar a eles ou estudar sua crença, você ganhará algo de especial, como, dependendo do culto, felicidade, a resposta para os mistérios do mundo, a “cura gay”, ou estabilidade financeira. Esta oferta pode vir antes, durante ou depois daquele evento inicial para o qual você foi convidado, mas estará lá, por que eles precisam que você queira algo deles, senão não tem vantagem sobre você.

Durante o evento, os todos os membros parecerão muito felizes, e você provavelmente será apresentado a “histórias de sucesso”, pessoas cujas vidas melhoraram significativamente após terem se juntado ao grupo, ou tendo conquistado o “prêmio” ou estando quase lá. Agora, dizem essas histórias, eles finalmente encontraram a felicidade, ou entenderam como o mundo funciona, ou não são mais gays/alcoólatras/entre outros, ou têm lucrado muito, etc. É suposto que você olhe para estas pessoas e imagine-se conseguindo esse mesmo prêmio.


4.  Extrair de você que quer mesmo o prêmio



Depois de apresentar o prêmio, eles fazem com que você concorde que o quer. Isso é, na verdade, bem fácil, por que o prêmio normalmente é atrativo (quem não iria querê-lo?), e por que admitir seu interesse nele parece seguro por que você não vê nenhuma obrigação anexada. A proposta poderá soar como alguma destas:

“Você quer se tornar financeiramente independente, não quer?”

“Não seria legal realmente conhecer os segredos do significado da vida?”

“A sua vida seria melhor se você não fosse mais tal coisa?”

“É um de seus objetivos achar uma maneira de realmente ajudar o mundo?”

“O que você tem a perder? Não vale a pena descobrir se isto pode realmente mudar a sua vida?”

Uma vez que você tenha concordado, os membros do culto engancharam um importante gancho em você, e eles o utilizarão. Aliás, note um pouco da psicologia aqui: eles não te falam o que você deveria querer, eles fazem você articular isso. Eles estão tentando fazer com que ache que a ideia foi sua. Assim, no futuro, você estará menos propenso a argumentar, por que você sentiria como se estivesse discutindo consigo mesmo. Uma vez que você diz o que sente em voz alta, isso se torna parte de sua identidade. Infelizmente, isso significa que você deu o primeiro grande passo na direção de se identificar com o culto.


5.  Suprimir sua divergência ameaçando segurar o prêmio



Neste ponto, a barganha torna-se um pouco mais difícil. Você será encorajado a fazer coisas que talvez prefira não fazer, como dedicar mais de seu tempo ao grupo, começar a recrutar para ele, pagar programas ou material de estudo caros, ou adotar crenças mais radicais. Naturalmente, você talvez proteste. Mas os membros do culto estão preparados para isso. Quando você demonstrar resistência, eles simplesmente ameaçarão você de que nunca conseguirá o prêmio se continuar com esse tipo de atitude.

Porém, essa não é a única forma que os líderes têm de suprimir objeções. Você pode ser acusado de estar resistindo ou sentindo-se superior, sempre de forma a criticar quem questiona.


6.  Estabelecimento de culpa



Ok, então o recruta já está na porta, não mais fazendo perguntas difíceis. O próximo passo é fazê-lo sentir culpa. Líderes de cultos envergonham os recrutas por que isso os faz sentir vulneráveis e mais suscetíveis a manipulação mais profunda. Essa tática também é usada para fazer os recrutas se envolverem mais com o culto. E, para os que já foram doutrinados, o jogo da culpa assegura que permanecerão fiéis à Causa. Como um ex-membro de culto uma vez falou:

“Nós nos sentávamos, mais ou menos trinta pessoas, ouvindo o líder nos falar como tinha feito um grande bem para nós, e como nós nunca seríamos felizes até reconhecer para todo o mundo nossa dívida de gratidão com ele. Eu me sentava no canto mais longe da sala, lágrimas de vergonha correndo pelo meu rosto, escondendo minha cabeça atrás da pessoa à minha frente para que não fosse chamado a falar, e jurando a mim mesmo que seria ‘honesto’ de agora em diante.”


7.    Cenoura/Vara



O comportamento é reforçado recompensando o “bom” e punindo o “mau” comportamento. Já que nós naturalmente procuramos minimizar nossa dor, essa é uma ferramenta bastante poderosa. Outro antigo membro de culto explica isso claramente:

“Eu era vegetariano, mas era pressionado a comer carne pelos administradores e outros da minha comunidade. Resisti por mais ou menos um ano. Quando eu finalmente resolvi comer um pouco de carne (frango, acho) recebi muito louvor. Outros perceberam e me lançaram olhares de aprovação quando passei ao lado deles com meu prato cheio de pássaro morto (ou o que quer que tenha sido). Vegetarianismo era apenas outro remanescente corruptor de minha antiga vida (como minha camiseta do Led Zeppelin e o meu nome), algo que eu precisava deixar para trás se quisesse alcançar felicidade e iluminação. Claro que me senti melhor após comer a carne – para variar, todos sorriam para mim.”


8.  Controle de identidade, informação e ambiente



Acima é a explicação de como um recruta é sugado para dentro do culto. Assim que o recruta está firmemente inserido, técnicas mais avançadas podem ser usadas para mantê-lo lá. Uma das mais poderosas é fazer com que os membros dissociem-se de família e amigos de antes. Não são todos os cultos que fazem isso, mas os que fazem têm um controle mais preciso sobre seus membros. Porém, esses e outros métodos estão um pouco além do tema deste artigo, que explica como até pessoas inteligentes e racionais podem ser lentamente puxadas para dentro de um grupo de culto. Agora você sabe.