Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

"Bafômetro de maconha" começará a ser usado nas blitz a partir de 2020


Nos EUA muitos estados já legalizaram o uso recreativo de canabis, ou maconha, ou cânhamo, ou "bagulho", ou seja lá como você chama a planta. Porém, não é permitido dirigir sob o efeito dela. Mas até agora não havia modo algum de detectar empiricamente o uso da planta. Até agora.




 

Uma empresa chamada Hound Labs, por exemplo, já desenvolveu um bafômetro que detecta não só o álcool, mas também maconha. Agora os policiais não precisam mais ficar vendo se os olhos estão vermelhos ou contar a piada do pintinho que soltou um pum e explodiu porque faltava-lhe uma parte do corpo (caso a pessoa morra de rir, é presa). É claro que outras empresas estão seguindo as pegadas e produzindo bafômetros semelhantes.

Apelidados de "bafômetro de maconha", podem até causar confusão, já que pensam que vão receber uns tragos na blitz e depois serem liberados. Pelo contrário: os bafômetros pretendem acabar com sua brisa.

Mas como eles detectam? É fácil! Nanotubos semicondutores de carbono que alteram as propriedades elétricas dos sensores quando entram em contato com o THC. Mike Lynn, CEO da Hound Labs, diz que já existem projetos pro uso do bafômetro no primeiro semestre de 2020 nos EUA.

Pensa que vai demorar pra chegar aqui no Brasil? A SENAD (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas) já anunciou que vai testar bafômetros assim.

Não que os maconheiros provoquem acidentes, como os que estão sob o efeito de álcool, mas eles podem causar trânsito, já que dirigem a 2km/h.