Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Golfinho Honey morre após ficar 2 anos sozinho na piscina de um aquário falido


Golfinhos são um dos animais mais espertos, junto com macacos e cachorros, e também são muito sociáveis. Eles gostam muito de confraternizar com qualquer ser vivo. Nós também gostamos, e quando nos vemos isolados do convívio social por muito tempo, muitos de nós enlouquecem.




Justamente porque golfinhos são sociáveis e gostam de fazer acrobacias, eles são alvos de muitos aquários, pois são ótimas atrações pra quem gosta de sentir prazer vendo animais encarcerados. Um desses golfinhos foi o Honey. 




Honey acabou no aquário Inubosaki Marine Park, na zona leste de Tóquio. Após os problemas naturais que o país enfrentou em 2011, entre terremotos e tsunamis, o aquário começou a ter grandes problemas financeiros.

O aquário chegou a ser vendido pra outro dono, as atrações iam diminuindo, e os visitantes também. Então, um dia, ele foi fechado. Isso acontece com qualquer negócio, mas a questão é que ao fechar o aquário, resolveram deixar por lá o golfinho Honey e 46 pinguins, além de centenas de peixes e répteis.



Apenas um funcionário continuou sendo mandado lá pra alimentar todos esses bichos. Após uma denúncia, uma ONG chamada Dolphin Project foi tentar resgatar o Honey, porém, já era tarde demais.

"Em fevereiro desse ano contatamos nossos compactuantes japoneses pra tentarmos comprar o Honey para que ele pudesse se aposentar com paz e dignidade. Essas conversas acabaram em março quando ficou claro que Honey não sobreviveria. No dia 29 de março, Honey morreu em seu tanque".

O grupo também produziu um vídeo usando um drone mostrando que em seus últimos dias Honey não teve um só contato com qualquer ser vivo. Apenas ele, água e solidão. No vídeo ele ainda está vivo, mas ele nem tenta nadar ou andar um pouquinho, afinal, qual seria o propósito? Era só esperar, paradinho, e logo tudo aquilo acabaria.


Alguns dizem que manter certos animais em cárceres temporários com o intuito de fazer certos estudos, como faz o Instituto Butantã, não há problema. Ali são descobertos antídotos e outras coisas. Mas não há como defender o enclausuramento de animais só pela recreação. 

Fonte: Mirror UK