Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Mecânico da Sibéria começa a construir exército de robôs e talvez seja tarde pra que alguém o impeça


Sergey Kulagin é um mecânico da Sibéria que há muito tempo conserta carros pra garantir o seu sustento. Mas um dia ele notou que sabe muito sobre mecânica e que podia fazer algo maior do que consertar carros. E por que não ter seu próprio exército ultra-destrutivo de robôs?

Ele já tem algumas centenas de soldados robôs. Mas será que ele planeja dominação mundial?


Sergey sempre levou uma vida humilde e cheia de casacos na cidadezinha de Divnogorsk, na Sibéria, até que um dia foi em uma exposição em 2011 e viu um grande robô em exibição. Ali ele teve um lampejo, notando que, olhando as juntas do robô, sabia dizer como aquilo funcionava.




Foi aí que essa estranha história começou.

Aparentemente robôs gigantes podem ajudar na sua vida amorosa

Por seis anos Sergey se trancou fazendo robôs com peças de carro, enquanto mantinha o trabalho comum que não envolve destruição em massa pra continuar se alimentando.


Ele começou fazendo os tradicionais robôs-trogloditas gigantes e humanoides que vencem pela força, mas logo começou a se inspirar em outros animais, como dragões ou insetos (ou até personagens fictícios como os minions de "Meu Malvado Favorito").


Cada robô é único, afinal, Sergey os constrói com as peças que vão aparecendo. Ou seja, não existem dois iguais.


Porém, digamos que ele já tenha dominado o mundo com sua fauna gigantesca de robôs. Acaso haveria algum calcanhar de Aquiles, como uma "inteligência artificial" que se voltasse contra ele? Sergey é esperto, e pensou nisso tudo. Seus robôs não são feitos pra agirem por programação, mas pra serem controlados por controle remoto.


Ele ainda está trabalhando na parte de movimentação. Por enquanto, ele já consegue controlar a movimentação das mãos, dedos, cabeça e olhos (onde provavelmente ficarão as câmeras).


Então os robôs começaram a ocupar muito espaço, e não cabiam mais em sua oficina. Sergey então abriu um museu com o sugestivo nome "Rise of the Machines". Os visitantes podem controlar os robôs e até comprar um se quiserem.

Desse modo, ele pode se sustentar enquanto fabrica robôs, e dedicar mais tempo ao seu futuro exército de destruição em massa. Inspirador.