Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Pessoas presas há 2 meses em festival de psytrance no Panamá estão vivendo insanidade hippie


Dúzias de pessoas viajaram pra uma ilha no Panamá com o intuito de participar de uma rave psytrance que vem com esses papos de "simbiose com a natureza" e que é regado a drogas sintéticas que nunca seriam achadas na natureza. Todos sabemos como é.

O festival duraria alguns dias, e terminaria no dia 15/03, há quase 2 meses atrás. Porém, no meio da brincadeira toda o exército do Panamá foi lá e anunciou que ninguém poderia ir embora e que não tinham mais voos.


Os passaportes deles foram confiscados, e enquanto isso, líderes surgiam, reuniões sobre como obter comida começavam, e tudo isso cercados por militares que não falavam a língua deles. Nada agradável.




Eventualmente os passaportes foram devolvidos, e eles foram liberados pra sair de lá após testes, mas como não havia nenhum voo e hospedagens por lá seriam caras, os que tentaram se aventurar por aí acabaram voltando pra lá.

Lideranças começaram a surgir pra poderem lidar com o problema

Embora tenham havido certas briguinhas sobre certas questões, nada foi o suficiente pra quebrar a tal "simbiose" que eles buscavam. Sabe como é...se a vida te dá um limão, faça uma rave de psytrance que vai durar 2 meses e meio. Sim, eles só vão poder sair de lá no dia 31/05 (e isso é uma previsão).

Eles se organizaram bem pra dividir e conseguir comida, e todo dia eles batem um bom rango:


Como não tem muito o que fazer, eles acabam entrando na onda da rave de psytrance várias vezes por dia. Destaque pro idoso que acabou entrando nessa também:


De dia e de noite é só psytrance simbiótico:

 
E então aparece o exército pra examinar todo mundo:


Por conta dessa mistura entre panteísmo, psytrance, isolamento em uma ilha sem nada, tecnologia, pandemia e insanidade completa, tem gente até conversando com pássaros:


Só espero que não dê tempo, até dia 31/05, que facções se dividam e uma guerra mortal comece. A Vice fez um documentário sobre o caso: