Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Homem gasta 1.300.000 reais em Camgirls e mata parentes que tentaram impedi-lo


Com a popularização dos streamings ao vivo, ou seja, pessoas fazendo transmissões ao vivo delas jogando videogame ou fazendo qualquer outra coisa, as empresas que fornecem as ferramentas que permitem com que isso seja feito desenvolveu um meio para além das propagandas de gerar ganhos, que são as doações ao vivo.




Como incentivo para as doações, o usuário que doa acaba "invadindo" a transmissão, com seu nome sendo exibido na tela, e até com uma mensagem dele aparecendo para todos que veem tal streaming, inclusive pra quem está transmitindo. Tais doações costumam gerar reações dos que transmitem, e quanto maior a doação, normalmente maior é a reação.

Assim, aquele que doa sente o prazer da interação, como uma gratificação, e certas pessoas acabam viciando nisso, principalmente os que são reclusos socialmente a níveis extremos. 

Querendo sentir mais e mais aquela sensação, tais pessoas acabam doando mais e mais dinheiro, e isso é cada vez mais comum em streamings de mulheres, já que ali, homens conhecidos como "incels" conseguem obter interações com belas moças.

Grant A., de 29 anos, além de ser recluso socialmente, tinha sido demitido, anteriormente foi expulso da escola, e vivia em casa, dependendo dos pais. Seus pais, junto com ele, moravam em uma área rural de Orlando. 

Ele começou a entrar em um site com CamGirls para adultos, onde o foco é o corpo delas, diferente de sites como o Twitch, onde o foco são os jogos. Grant se atraiu por uma CamGirl da Bulgária, cujo nome não foi revelado, e passou a fazer pequenas doações durante suas transmissões. Com as interações geradas através das doações, ele começou a desenvolver um sentimento platônico por ela.

O único modo pelo qual ela interagia com ele era por doações. Tais doações começaram a aumentar, e logo Grant precisava arranjar mais dinheiro pra conseguir mais doações, e assim, mais interações da búlgara, e por conseguinte, mais sensação de recompensa, à qual estava viciado. 

Com acesso aos documentos pessoais de seus familiares, ele conseguiu roubar dos pais, Chad e Margaret, 150.000 dólares. Também conseguiu roubar 60.000 de seu irmão. Além disso, roubou as armas de seu irmão e as vendeu, e fez um empréstimo de 65.000 dólares usando a casa dos pais como penhor.

 Grant A. e seu irmão, Cody, assassinado por ele, em foto que tiraram durante viagem que fizeram ao Japão

Tudo isso foi muito rápido, e todo esse dinheiro foi para a moça em cerca de 3 meses. Ela começou a conversar com ele privadamente, e pelo jeito, assim conseguia grandes doações do homem. A família chegou a convencê-lo a ir para um "rehab de pornografia", enquanto tentava reaver o dinheiro.

Seu irmão, Cody, chegou a dizer pra namorada que temia que Grant "matasse todo mundo", de acordo com o escritório do xerife do Condado de Seminole. Agora, as autoridades acreditam que ele realmente fez isso.

Numa sexta de manhã, a polícia achou os corpos de Chad, Margaret e Cody. Todos foram mortos com tiros, no que a polícia classificou como execução. Grant foi preso e responderá pelos três homicídios de terceiro grau, e a polícia crê que sua obsessão pela Búlgara, e a tentativa de sua família de separar os dois causou os homicídios.

 Algumas das fotos que a moça lhe enviava, e que foram reveladas durante o julgamento

Ele era enfermeiro, e foi demitido após administrar um sedativo impropriamente a diversos pacientes. Enquanto isso, desenvolvia a sua estranha relação com a búlgara. Após verem o que ele fez, a família o mandou pra reabilitação, de onde saiu antes do fim do tratamento. Quando chegou em casa, seu pai apresentou uma lista de regras pra que ele continuasse morando lá. 

Uma dessas regras era a sentença de morte da família: parar de falar com a búlgara. Ele aparentemente concordou, mas continuou falando com ela pelo Twitter. Seu pai mandou ele embora, e mandou uma mensagem pro Cody, irmão dele, ir pra lá. Sua namorada, que estava com Cody nesse momento, perguntou do que se tratava, e ele disse que era o "non-sense estúpido de sua família".

 Foto das regras feitas pelo pai

Depois, Cody mandou uma mensagem pra namorada dizendo que "estava tudo bem". Mas ele não foi trabalhar no dia seguinte, o que fez a polícia ir lá e descobrir os corpos. A polícia arrombou a porta após ninguém responder. O pai de Grant estava morto no chão da cozinha, seu irmão em posição fetal no almoxarifado, também morto, e sua mãe morta em cima da mesa. 

Grant fugiu, a polícia abriu um mandato, e encontrado por investigadores, ele aceitou conversar. Ele inicialmente negou as acusações, mas foi preso devido aos indícios. Não se sabe se a búlgara teve qualquer relação com isso.

Ele então foi julgado, e o júri o considerou culpado. 

 Grant A. durante o julgamento.

As conversas e fotos que a moça mandava privadamente pra ele foram reveladas no julgamento, e não há indício de que ela tenha incentivado os homicídios. Grant pegou prisão perpétua. Durante o julgamento, os promotores descobriram que ele era fã de Death Note e pouco antes dos assassinatos ele começou a se associar com o Shinigami, o "deus da morte" no famoso anime.