Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Mulher começa subitamente a pensar que é uma galinha e é internada


Os médicos da Universidade de Leuven, na Bélgica, tiveram que lidar com um estranho caso: uma mulher pensando e agindo como se fosse uma galinha.




A mulher de 54 anos é casada e tem um emprego estável em uma farmácia. Além disso, ela não tem nenhum histórico de abuso de álcool ou drogas. Um dia, seu irmão parou na sua casa pra fazer uma visita, e quando entrou viu ela ciscando, cacarejando e procurando minhocas.


Sem saber o que fazer, o irmão dela a levou pro hospital, e então, na hora de ser atendida, ela voltou ao normal após uma convulsão. Ela disse aos médicos que realmente pensou ser uma galinha, e que sentiu "uma nova sensação nas pernas".


O caso súbito de zoantropia, isto é, quando alguém pensa ser algum animal (o que hoje é comum em camadas mais profundas das comunidades "furry"). Ela não se lembra de quase nada, só dessa mencionada sensação nas pernas e de pensar ser uma galinha.


Os pesquisadores da Universidade de Leuven entraram no caso. "Zoantropia clínica é um delírio raro", disseram os pesquisadores. Segundo eles, normalmente acontece como uma consequência de outro problema psicológico ou ainda por alguma lesão ou disfunção na própria estrutura cerebral.

 A Universidade de Leuven, na Bélgica

Eles apostam que seja o primeiro motivo mencionado, já que recentemente ela lidava com a perda de um ente querido, e alegava estar com depressão. Um estudo sobre o caso foi publicado na revista científica belga Tijdschrift voor Psychiatrie, e você pode ler o paper na íntegra aqui.

No estudo, os pesquisadores de psiquiatria mostram que desde 1850 apenas 56 casos de zoantropia foram registrados. Os animais que os afligidos pensaram ser foram o cachorro, o leão, o tigre, a hiena, o tubarão, o crocodilo, o sapo, o boi, o gato, o ganso, o rinoceronte, o coelho, o cavalo, a cobra, o passarinho, o javali selvagem, o gerbilo e a abelha. Ah, e agora, a galinha.

Dentre esses casos, alguns duraram apenas horas. O mais longo durou décadas, imagine só. A maioria deles foi registrado em áreas rurais.

Fonte: The Guardian