Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Arqueólogos abrem tumba de 1.500 anos na Saxônia e acham 6 mulheres ao redor de um caldeirão

 

Talvez a humanidade inteira tenha acabado de ser amaldiçoada, ou pelos menos esses arqueólogos. Eles acharam um complexo de túmulos de um Lord ou Príncipe germânico que viveu cerca de 1.500 anos atrás na Alta Saxônia, região da Alemanha.

 

Experts estão dizendo que essa pode ter sido a maior descoberta arqueológica dos últimos 40 anos. Originalmente, a região onde foi achado esse complexo de túmulos estava sendo limpada pra que um criadouro de galinhas fosse ali instalado. As estruturas então começaram a aparecer, e arqueólogos acabaram sendo chamados pra ver se encontrariam alguma relíquia.

 


Através das coisas que já conseguiram tirar debaixo da terra, eles já sabem que se trata de um complexo de túmulos de alguém com título de nobreza e que viveu há cerca de 1.500 anos. Porém, eles ainda não encontraram os restos mortais deste nobre homem, embora tenham uma suspeita de onde ele esteja.

 


Como as coisas estão há 1 milênio e meio embaixo da terra, os arqueólogos devem usar uma série de instrumentos e muita cautela pra que não arrebentem tudo. Com muita paciência, eles encontraram um túmulo central em um cômodo exatamente quadrado, com medidas de 3,96m x 3,96m. Nesse cômodo, 6 esqueletos de mulheres estavam cuidadosamente arranjados ao redor de um caldeirão cúbico, e dentro desse caldeirão cúbico tem alguma coisa.

 


Os arqueólogos suspeitam de que essa "alguma coisa" seja a ossada do homem, que será de grande valia pra identificá-lo. E como eu disse, eles precisam de extremo cuidado pra remover o que está dentro desse recipiente encontrado dentro do caldeirão, então pode demorar um pouco pra que saibamos a resposta.

 


Após o bizarro relato das 6 mulheres ao redor do caldeirão em um cômodo subterrâneo perfeitamente quadrado, historiadores da Saxônia entraram na parada e começaram a suspeitar de algo ritualístico, que pode ser ou um funeral, ou um assassinato, ou um suicídio. É quase certeza, no entanto, que foi algum ritual que rolou ali, afinal, os arqueólogos encontraram também estranhos artefatos estranhamente preservados.

 


Os artefatos, feitos com pedras preciosas, parecem chaves tribais, de antigas tribos germânicas, e os historiadores já apostam em três tribos: os Longobardos, os Alemanni ou os Thuringianos. O que não se sabe é que tipo de ritual foi.

 


Por exemplo: o príncipe ou nobre pode ter se matado junto com as suas comcubinas, e elas podem ter feito isso voluntariamente ou não. Ele pode ter sido assassinado e o ritual foi feito por outra pessoa. Ele pode ter simplesmente morrido e 6 virgens capturadas foram mortas ali também, ou várias outras possibilidades ainda podem ser ditas. O complexo contém 60 túmulos (até o momento) e diversos objetos muito bem preservados foram levados a museus para análises mais minuciosas.

 


"Nós não achamos ainda o príncipe, mas talvez suas cinzas estejam no caldeirão de bronze", afima a arqueóloga Susanne Friederich, que trabalha no Museu Halle. Além disso tudo, foram achados restos mortais de 11 animais no complexo.