Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Estudante é expulsa de república após "vocalizar pensamentos suicídas" pra 'não diminuir o valor do lugar'


Nos EUA o valor de um imóvel reduz muito caso aconteça um assassinato ou homicídio no lugar. Muito provavelmente por isso essa moça foi expulsa de uma república estudantil após ela ter desabafado com amigas que também moram lá sobre seus recorrentes pensamentos suicidas.




O aviso de sua expulsão foi friamente fixado na porta de seu quarto, e a moça ficou sabendo logo após acordar, quando foi sair pra ir ao banheiro. Ainda de pijamas e emocionalmente frágil (o que é óbvio, já que ela tem pensamentos suicidas recorrentes), ela começou a tremer e em pânico começou a arrumar suas coisas.


Ela não chegou a pensar que o lugar dava um prazo de alguns dias pra que ela se mudasse, mas por conta de seu pânico ela achou que deveria sair imediatamente de lá. "Eu estava tremendo tanto que não conseguia pegar nada", disse ela ao jornal Salt Lake Tribune. Ela solicitou que o jornal não revelasse a sua identidade.


A empresa Ventana Student Housing, que é dona do lugar, não quis responder ao jornal. O papel é assinado pelo responsável do imóvel e traz o logotipo da empresa. No documento, ela é informada de que após "vocalizar pensamentos suicidas", ela trouxe pânico e alarme às outras moradoras da república feminina, violando o artigo tal e tal do contrato, segundo eles.


Então eles dizem que por isso, estão optando por encerrar o contrato. "Pedimos que você use os próximos dias pra encontrar um lugar e se mudar". Ela diz ao Salt Lake Tribune: "o dono me disse que não posso mais viver lá porque tenho pensamentos suicidas. Não é algo que posso controlar, e me machuca".


Segundo a moça, tais pensamentos começaram desde que sua mãe morreu em 2018. Agora, com o isolamento social, ela diz que tais pensamentos pioraram muito. Ela então decidiu desabafar com três amigas que também moram na república. Ela queria explicar o motivo de não sair muito do quarto, e sendo uma delas também uma colega de trabalho, explicar o motivo de não ter aparecido no trabalho.


As "amigas" então disseram que ela estava sendo dramática, e uma delas foi "dedurá-la" pra administração. Três semanas depois, ela encontrou o bilhete em sua porta, informando-a dos seis dias que teria pra encontrar outro lugar. "Eu fiquei completamente chocada. Eu não sabia o que fazer", disse ela.


Ela conseguiu abrigo na casa de um amigo, e vai procurar com calma um lugar. A universidade onde ela estuda, Utah Valley University, disse que simpatiza com a moça, mas que não pode fazer nada. Segundo a moça, ela não quer se envolver com disputas judiciais, mas teme que isso aconteça com outras pessoas.


Após o ocorrido, isso veio ao conhecimento de sua família, que não desconfiava dos pensamentos suicidas, e eles estão ajudando-a.


Fonte: Salt Lake Tribune