Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Fazenda vertical de 2 acres controlada por A.I produz o mesmo que as convencionais de 720 acres

 

Ao que tudo indica, fazendas verticais são o futuro da produção de alimentos em larga escala. Além de ocuparem uma área menor, afinal, elas aumentam pra cima e não para os lados, as fazendas verticais usam o auxílio de robôs, inteligências artificiais e realidade aumentada pra cultivar plantas usando 95% menos água e 99% menos terra.

 



Uma das empresas que já investem nisso é a Plenty, cuja sede fica em San Francisco, nos EUA. Embora a opinião popular tenha a noção de que a população rural é mais rude do que a urbana, na realidade eles precisam estudar todo dia na prática noções técnicas de mecânica, produção, fertilização, dentre outras coisas necessárias pra sobrevivência.

 


A primeira onda hi-tech impulsionada pelos fazendeiros foi a dos drones de "dropshipping", e recebendo a impulsão da população rural, mais de 1.600 empresas abriram com o foco nisso. E como dizem, a necessidade é a mãe da invenção. Uma dessas 1.600 empresas, a supramencionada Plenty, pensou em como um dia não teremos mais lugar pra plantar nada, se pensarmos apenas horizontalmente.


Mas por que não crescer pra cima? Cada vez mais comidas frescas chegam menos às pessoas, que inseridas em um mercado de massa, abusam de comidas industriais cheias de produtos químicos artificiais, levando ao aumento da obesidade, diabetes, más disposições e até da ignorância.

 



Além disso, nações com terras áridas sofrem pra obter legumes, frutas e verduras por conta da dificuldade da produção, fazendo com que necessitem importar tudo. A solução pra isso tudo são as fazendas verticais, coisa que a Plenty, bem como outras empresas, estão fazendo.



Primeiro, eles constroem prateleiras gigantescas e verticais feitas pra plantio indoor, com aparatos de irrigação e medição de nutrientes e temperatura. Como o local é fechado, a luz solar é substituída por luzes LED full-spectrum. As prateleiras são montáveis e desmontáveis em blocos, e robôs que normalmente vemos em fábricas de automóveis são aqui vistos movendo prateleiras pra cá e pra lá por diferentes necessidades.

 


Uma "inteligência artificial" (ou seja, um sequenciamento algorítmico que define diferentes cadeias de ações conforme as circunstâncias) define temperaturas e distribuição de nutrientes e água. A água perdida pela transpiração das plantas é recapturada e reusada, e tudo isso bem próximo da cidade que utilizará a comida. 

 


Além disso, os neo-fazendeiros podem utilizar óculos VR pra verem em realidade aumentada qual planta é qual, em qual estágio de crescimento ela está e se há necessidade de ação humana. Segundo Nate Storey, cofundador da Plenty, uma fazenda vertical de 2 acres consegue produzir o equivalente à fazendas convencionais de 720 acres. Cada acre corresponde a 4.046m². 

 


Ou seja, uma fazenda vertical de 8.093m² consegue produzir o equivalente a uma fazenda convencional de 2.913.840m². É um absurdo de diferença. E novamente: utilizando 95% menos água  e 99% menos terra.


Alguns podem achar isso anti-natural, mas pense bem: os humanos também não são naturais? A capacidade racional do humano de sistematizar as coisas não são também naturais? Acostume-se: esse é o futuro.


Fonte: Forbes