Tecnologia do Blogger.

Moço que entregou o pai ao FBI por invasão ao Capitólio pede doações pra pagar a faculdade

 

Dois dias após a muito comentada invasão ao Capitólio dos EUA, no dia 6 de janeiro, Guy W. Reffitt voltou de sua viagem um tanto doida e uma vez em sua casa, no Texas, contou ao filho que tinha participado da tal invasão.




O filho, Jackson Reffitt, de 18 anos, se sentiu desconfortável, e o pai percebendo isso, disse que se ele o entregasse à polícia, não teria como continuar fazendo o seu "dever" e "fazer o que tinha que ser feito".

 


 

Segundo Jackson, seu pai ainda disse que "se você me entregar, você é um traidor, e você sabe o que acontece com traidores. Eles levam tiros". Mas Jackson já havia entrado em contato com a polícia uma semana antes, após os repetidos avisos de seu pai que ele "faria algo grande".


A esposa do homem revelou aos investigadores, posteriormente, que ele faz parte dos Three Percenters, um grupo político organizado e armado.


Guy Riffitt flagrado no dia 6 de janeiro na invasão ao Capitólio


Quando o FBI identificou Guy Riffitt na invasão, também viram em seus registros a denúncia que o filho fez, sobre a "coisa grande" que seu pai faria. "Eu não sabia o que ele iria fazer, então fiz o possível pra estar do lado certo", disse o moço.

 

Jackson diz que seu pai foi manipulado pelo grupo em que ele entrou, se tornando um radical político. Guy foi preso no dia 16 de janeiro, e responderá por obstrução de justiça, por tentar impedir as investigações, e obviamente pela invasão ao Capitólio.

 


Sobre ter entregado o próprio pai ao FBI, Jackson diz: "Tenho medo que ele saiba. Não pela minha vida ou qualquer coisa assim, mas pelo o que ele pode achar de mim". Mas ele diz que ele tem esperança em manter uma boa relação com ele: "Nós vamos ficar bem com o tempo. Eu sei que vamos".


A mãe e a irmã do Jackson não faziam ideia do que ele tinha feito até ele aceitar dar uma entrevista à CNN contando sobre o caso, pois os jornalistas acharam o que tinha acontecido nos relatórios do FBI.


Agora que seu pai está preso, ele pede doações pra que possa bancar os seus estudos. Na página que fez no GoFundMe, uma plataforma de vaquinhas virtuais, ele já conseguiu 109 mil dólares.


Fonte: NY Times