Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Papagaio-cinzento é o 1º animal da história a fazer uma pergunta existencial, morre dizendo "eu te amo"

Um tempo atrás o Ovelhas publicou a história do cachorro Bunny, que aprendeu a comunicar certas palavras através de botões, e um dia se olhou no espelho, apertou o botão "quem[?]", ouviu ser ele mesmo ali no reflexo, ficou pensativo olhando pra fora e depois apertou o botão "socorro". Clique aqui pra ver.




Mas antes disso já houve o registro de um animal fazendo uma pergunta sobre si mesmo, sobre algo que pertença à sua existência. Não ontologicamente, é claro, mas segundo o concreto imediato que se apresenta aos sentidos (um brinde à turma de filosofia).


Você já deve ter visto uma foto que corre por aí de uma mulher com um papagaio-cinzento e a legenda dizendo que ele morreu fazendo uma declaração de amor. Muitos ficam com o pé atrás com essa história, mas ela de fato ocorreu, e a história entre Alex, o papagaio, e a Dra. Irene Pepperberg é bem profunda.


A Dra. Irene é Doutora em química, e fez seu doutorado em Harvard. Após seu doutorado, em 1976, ela começou a pesquisar as relações químicas com a cognição, e passou a usar um papagaio-cinzento para os estudos, devido as conhecidas habilidades cognitivas deles.


Ela comprou Alex (acrônimo de "avian learning experiment") de uma pet shop em Chicago, em 1977, quando ele tinha cerca de 1 ano. Uma vez adquirido, era hora de lapidar suas habilidades sociais com humanos.


O primeiro teste foi baseado em uma rivalidade fabricada. Dois treinadores participavam desse treinamento. Um deles pedia certa coisa, como "levanta a patinha", e o outro treinador obedecia, e recebia atenção. Quando a atenção se voltava pro Alex e ele não levantava a patinha, perdia a atenção, que se voltava novamente ao seu "rival".


O treinador e o "rival" trocavam de papéis pro papagaio entender que se tratava de um mecanismo social (fabricado, mas essa parte ele não precisava saber).


A Dra. percebeu que o papagaio estava ficando bom com essa coisa de comandos quando ele começou até a corrigir algum "rival" que fizesse algo errado. Após mais tempo ainda o Alex começou a atuar como assistente da Dra, assumindo a posição de "rival" pra treinar outros papagaios.



Depois de começar a interagir bem com humanos, Alex aprendeu a reconhecer uma variedade de cores, objetos, materiais, e ações, decorando mais de 100 palavras. Ele sabia reconhecer mais de 50 objetos individuais, e podia identificar quantidades até o seis. Ele até conseguiu identificar o "zero" com o vazio até certo ponto.


Alex também conseguia separar a substância do acidente. Se uma chave amarela de plástico fosse apresentada pra ele, e depois uma chave vermelha de metal, ele saberia dizer que ambas são uma chave, e saberia dizer as diferenças acidentais entre elas. Ele também sabe o que é o quê, pois se fosse perguntado: "Qual cor?", ele responderia amarelo ou vermelho. Se fosse: "Qual material?", ele responderia metal ou plástico.


Os exercícios precisavam de uma grande quantidade de repetições pra Alex entender as coisas, e por isso ele ficava entediado às vezes. Nos momentos de tédio ele começava a responder errado por querer e em tom irritado, ou então começava a fazer outras perguntas. De todos os papagaios treinados pela Dra, ele foi o único a elaborar uma pergunta sobre si mesmo.


Como o cachorro Bunny mencionado lá em cima, a Dra. colocou um espelho na frente do Alex, e ele perguntou "Qual cor?". Então ele aprendeu que era cinza.


Alex morreu no dia 6 de setembro de 2007, aos 31 anos. Sabendo que o bicho estava em seu leito de morte, a Dra. resolveu passar a noite com ele. Quando foi colocá-lo na gaiola pra ir embora, ele disse: "Você ser boa, vejo você amanhã. Eu te amo". No dia seguinte, encontraram ele morto.


A Dra. Pepperberg continuou seus estudos com dois papagaios que Alex ajudou a treinar, chamados Athena e Griffin. Muitas descobertas sobre a capacidade cognitiva de pássaros e de outros animais foram feitas graças à profunda pesquisa dela, que abriu um Instituto dedicado a essas pesquisas chamado The Alex Foundation's, que você pode saber mais sobre clicando aqui.