Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

TV da Dinamarca lança desenho infantil sobre homem que não pode controlar seu pênis gigante


John Dillermand (em dinamarquês, diller é pênis, mand é homem, ou seja, João Homem-Pênis) é um homem com um pênis extraordinário. O pênis é capaz de ser um chicote pra bater num leão que aterrorizava crianças, fazer churrasco, erguer muros, virar um barco e ao mesmo tempo uma corda pra retirar um fogão do fundo de um lago (com crianças sentadas no "barco"), mas tem um porém: o pênis tem vontade própria, e até rouba sorvete de crianças que passam.




O desenho foi lançado sábado na rede de televisão dinamarquesa DR, e obviamente causou o furor de pais que não querem seus filhos aprendendo sobre pênis gigantescos e incontroláveis que são do bem. 

 


A escritora dinamarquesa Anne Lise Marstrand-Jorgensen é uma dessas pessoas que criticaram o desenho, cuja faixa etária indicativa, segundo a televisão, é de crianças com 4 a 8 anos de idade. "É essa mesma a mensagem que queremos passar em meio à onda do #MeToo"?, indicando que acostumar crianças com "homens que não podem controlar os seus pênis" é "acostumá-las" ao abuso.



Mas outras espécies de crítica surgiram também. O professor Christian Groes, da Universidade de Roskilde, diz que o desenho "perpetua a ideia de uma sociedade patriarcal".

 


De outro lado, uma psicóloga chamada Erla Heinesen Hojsted, defende o desenho. "John Dillermand fala com as crianças e compartilha o seu modo de pensar - e as crianças acham sim divertidas as genitálias. O desenho mostra um homem que é impulsivo e nem sempre está no controle, e que comete seus erros, como as crianças cometem". Mas, no entanto, "ele toma a responsabilidade por suas ações, e quando uma mulher manda ele ficar com o pênis dentro da calça, ele obedece". 

 


Já a rede de televisão DR respondeu simplesmente que poderia muito bem ter feito um desenho sobre uma mulher com vagina gigante e sem controle sobre ela, e o que importa é que as crianças gostaram do John Dillermand.

 

 

Fonte: The Guardian