Tecnologia do Blogger.

Pesquisa mostra que 51% dos europeus querem ser governados por inteligências artificiais

 

Um estudo descobriu que a maioria dos europeus gostaria de ver seus primeiros-ministros, presidentes, e deputados humanos substituídos por uma inteligência artificial.

 

Pesquisadores do Centro de Mudança de Governabilidade da IE University, com sede na Espanha, perguntaram a mais de 2.000 pessoas de 11 países ao redor do mundo como se sentiriam em relação à redução do erro humano removendo uma porcentagem considerável de políticos e substituindo-os por uma I.A.

 

 

Eles descobriram que pouco mais da metade - 51% - concordariam imediatamente com a ideia de entregar os negócios do governo a um algoritmo que tivesse acesso a dados ilimitados sobre o país e sua população.

 

No entanto, houve diferenças significativas entre os entrevistados em diferentes países, talvez refletindo o nível de confiança que temos em nossos respectivos governos.

 

 

 

A proposta foi particularmente bem recebida na Espanha e na Itália - com 66% e 59% a favor, respectivamente - enquanto era menos popular nos Estados Unidos e no Reino Unido. 60% dos entrevistados americanos se opuseram à ideia e os britânicos gostaram ainda menos do conceito, com 69% dizendo que era uma ideia ruim.

 

Houve divisões entre as gerações também, com os eleitores mais jovens sendo muito mais propensos a receber um governo de I.A.

 

 

Oscar Jonsson, diretor acadêmico do Centro de Mudança de Governabilidade da Universidade IE, foi um dos pesquisadores por trás do estudo. Ele disse à CNBC que a crescente popularidade da ideia de um político I.A. se deve a um "declínio de décadas da crença na democracia como forma de governança".

 

“A percepção de todos é que a política está piorando e, obviamente, os políticos estão sendo culpados, então eu acho que (o relatório) capta o zeitgeist geral”, disse ele, acrescentando que muitas pessoas não sabem pessoalmente quem é, no cotidiano particular, o seu governante, ou o que eles realmente fazem no dia a dia.

 

 

Mas controlar um robô político pode ser um desafio ainda maior. Susan Schneider, diretora do Center for Future Mind e autora de "Artificial You: AI and the Future of the Mind", diz que a maioria dos humanos teria dificuldade em compreender uma 'inteligência' sofisticada de uma máquina dessas.

 

“Isso é conhecido como problema de controle”, disse Schneider ao Gizmodo. “É simplesmente o problema de como controlar uma I.A. que é muito mais inteligente do que nós.”

 

 

Roman Yampolskiy, professor de ciência da computação e engenharia da Universidade de Louisville, concorda: “Se pudéssemos prever o que uma superinteligência fará, seríamos super-inteligentes nós mesmos”, diz ele.

 

“Por definição, a superinteligência é mais inteligente do que qualquer ser humano e, portanto, surgirá com alguma solução incompreensível e desconhecida para alcançar”.

 

Talvez seja melhor nos apegarmos aos nossos políticos existentes, por mais incompetentes e corruptos que possam parecer. Caso eles se voltem abertamente contra nós, podemos tirá-los de lá após algumas dificuldades. Agora, no caso de uma suposta "super-inteligência", quem de nós conseguiria maquinar contra seus planos?
 

Fonte: Daily Star